Diferenças entre os tipos de gasolina: comum, aditivada, premium e podium

7 de agosto de 2009 por franklin Comentar »

Sempre tive essa dúvida, não sabia porque a gasolina aditivada era mais cara que a comum, e a premium mais cara ainda e a podium ainda mais. Achei na internet uma explicação para a diferente entre os tipos de gasolinas, entre elas a gasolina comum, gasolina aditivada, gasolina premium e a gasolina podium.

Abaixo a explicação que achei, é bem grande, mas se tu realmente quiser saber como funciona a queima do combustível no motor do carro, é um bom post.

Qual a diferença entre a gasolina aditivada e a gasolina premium?
A diferença está na octanagem. A Premium tem 91 octanas IAD (Índice Auto Detonante), enquanto a comum e a aditivada têm 87 octanas

Qual a diferença entre gasolina comum e a gasolina aditivada?
A única diferença é o aditivo. A octanagem é a mesma. Não influencia a potência do carro.

Para que serve a gasolina aditivada?
A finalidade da gasolina ser aditivada é para limpar e manter limpo todas as partes em contato com o combustível (bicos injetores, válvulas, câmera, cabeçote e carburador).

O que é octanagem?
É a resistência que a gasolina tem a auto-ignição (detonação). A detonação é mais conhecida como batida de pino, que é igual a um barulho metálico.”;

Se estiver usando a gasolina comum há muito tempo (dois anos), posso usar a gasolina aditivada?
Sim. Mas primeiro é bom efetuar uma limpeza no sistema ou usando gradativamente de forma a promover uma limpeza suave.”;

Se usar gasolina Premium, meu carro ficará mais potente?
A gasolina não dá mais potência. A potência de um carro já foi definida no projeto do motor (fabricante). O desempenho vai depender da gasolina. O manual do proprietário informa qual a gasolina deve ser usada.

A gasolina tem chumbo?
Não. O Japão e o Brasil foram os primeiros países a retirarem o chumbo em suas gasolinas automotivas. No caso brasileiro foi em 1989.

O composto chumbo tetraetila (CTE) foi durante muitos anos incorporado à gasolina de vários países para aumentar a sua octanagem. Com o crescimento da preocupação com o meio ambiente, estes compostos foram suprimidos da composição da gasolina principalmente por serem tóxicos para o ser humano mas também por inviabilizar a adoção de catalisadores de veículos.

Como é a gasolina da F-1?
A gasolina da F-1 é especialmente desenvolvida para competição. Não é a mesma gasolina comercializada nos postos.

O metanol é utilizado na gasolina?
Não. Por ser extremamente tóxico, o metanol não é utilizado como combustível no Brasil.

Quais as gasolinas automotivas comercializadas no Brasil?
Existem no Brasil quatro tipos de gasolina: comum, aditivada (BR Supra), Premium e Podium.

Quais são as características e as diferenças de nossas gasolinas?

Gasolina Comum
Características:

- É a gasolina mais simples encontrada no mercado
- Não recebe nenhum tipo de aditivo ou corante
- Recebe, por força de lei federal, a adição de 25% de álcool anidro
- Possui uma coloração amarelada.
Aplicação:
Pode ser utilizada em qualquer veículo movido a gasolina.

Gasolina BR Supra
Características:

- Difere da gasolina comum pela presença de aditivos detergentes/dispersantes que têm a função de manter limpo o sistema de combustível, incluindo os bicos injetores e as válvulas do motor
- Recebe, por força de lei federal, a adição de 25% de álcool anidro
- Recebe um corante que a deixa com a cor verde para diferenciá-la da gasolina comum
Aplicação:
Pode ser utilizada em qualquer veículo movido a gasolina, sendo especialmente recomendada para veículos com motores mais compactos, que trabalham a rotações e temperaturas mais elevadas e dispõem de sistemas de injeção eletrônica, entre outros.
Em relação à troca de gasolina recomendamos, caso esteja usando a gasolina comum há algum tempo, efetuar uma limpeza no sistema do veículo (motor, válvulas, bicos injetores, etc.). Caso não seja possível, outra alternativa é passar a usar a gasolina aditivada gradativamente, de forma a promover uma limpeza suave (misturar com gasolina comum).

Gasolina Premium
Características:

- Difere das demais gasolinas por apresentar uma maior octagem, o que proporciona um maior desempenho dos motores. Recebe os mesmos aditivos da Gasolina BR Supra
- Recebe, por força de lei federal, a adição de 25% de álcool
- Possui uma coloração amarelada.
Aplicação:
Pode ser utilizada em qualquer veículo movido a gasolina, mas só é eficaz em veículos com motores com alta taxa de compressão (maior que 10:1).

Gasolina Podium
Características:

- Maior índice de octanagem de todas as gasolinas do mercado, promovendo melhor performance para veículos de alto desempenho
- Baixo teor de enxofre, reduzindo consideravelmente seu impacto ambiental
- Reduz o acúmulo de resíduos nos motores, possibilitando intervalos maiores entre as manutenções
- Gasolina com um padrão ambiental que a Europa e os Estados Unidos só exigirão a partir de 2005
- Desenvolvida com a mesma tecnologia que a Petrobras emprega para produzir a gasolina utilizada na Fórmula 1
- Recebe, por força de lei federal, a adição de 25% de álcool
- É incolor.
Aplicação:
Pode ser utilizada em qualquer veículo movido a gasolina, mas é especialmente recomendada para veículos de altíssimo desempenho.

Qual é a cor original da gasolina?
A cor original da gasolina varia desde incolor até amarelada. Isto acontece devido aos diversos tipos de petróleo que são processados pelas refinarias.

Por que a gasolina aditivada possui diferentes cores?
As gasolinas aditivadas recebem a adição de um corante para diferenciá-la da gasolina comum. Cada companhia distribuidora adiciona o corante da cor que desejar. As únicas cores que não podem ser utilizadas são o azul, utilizado na gasolina de aviação, e o rosado, utilizado na mistura MEG (metanol/etanol/gasolina – usada quando existe falta de álcool hidratado nos postos). No caso da Petrobras o corante utilizado na gasolina aditivada (Gasolina BR Supra) é o verde.

Qual o teor de álcool da gasolina?
Atualmente, por força de lei federal, todas as gasolinas automotivas comercializadas no Brasil (comum, aditivada, premium e pódium) recebem a adição de 25% de álcool anidro.

Qual o teor de água no álcool?
O álcool etílico hidratado combustível (AEHC), utilizado nos carros a álcool, como o próprio nome diz é hidratado, ou seja, possui água. Esse teor de água é, em média, de 7%. Este álcool não é utilizado na gasolina. No caso da gasolina é utilizado o álcool etílico anidro combustível (AEAC), isento de água.

Como são obtidas as gasolinas?
A gasolina é um combustível obtido do refino do petróleo e composto, basicamente, por uma mistura de hidrocarbonetos (compostos orgânicos que contêm átomos de carbono e hidrogênio).

Os processos de refino utilizados na produção da gasolina compreendem vários processos. De um modo geral, o processo começa com uma simples separação física, denominada destilação. Da destilação aproveita-se a nafta para a produção da gasolina. Dessa mesma destilação obtêm-se várias parcelas, uma delas denominada gasóleo. O gasóleo passa por processo complexo, que modifica a estrutura das moléculas, chamado craqueamento catalítico. Deste processo é obtida uma outra nafta chamada nafta de craqueamento que pode ser adicionada à nafta de destilação para a produção de gasolina. Para a produção da gasolina Premium são utilizados processos ainda mais sofisticados que fornecem correntes de elevada octanagem, como a alquilação e a reforma catalítica.

O tempo para produção de uma gasolina varia muito dependendo do tipo de petróleo, do(s) processo(s) utilizado(s), da quantidade que se precisa produzir e do tipo de gasolina (comum ou premium). Este tempo pode levar de algumas horas até mesmo 1 semana.

Além da octanagem, outros fatores devem ser considerados para a produção de uma gasolina de qualidade elevada, como, por exemplo, a sua volatilidade, a sua estabilidade e a sua corrosividade, de forma a garantir o funcionamento adequado dos motores.

Como, quando e com que finalidade surgiu a gasolina aditivada?
A introdução da gasolina aditivada é uma resposta às exigências do mercado automobilístico, cuja tecnologia está cada vez mais avançada. O produto é voltado, principalmente, para veículos com motores mais compactos, que trabalham a rotações e temperaturas mais elevadas e dispõem de sistemas de injeção eletrônica, entre outros.

Para entendermos um pouco como surgiu a gasolina aditivada, precisamos conhecer um pouco o que é a gasolina. A gasolina é um produto intermediário do Petróleo, na faixa de hidrocarbonetos de 5 a 20 átomos de carbono, com ponto final de destilação de cerca de 220°C. Existem, distribuídos ao longo desta faixa, compostos diversos, como as olefinas, aromáticos e nitrogenados, que introduzem um certo grau de instabilidade ao produto. Esta instabilidade molecular é responsável pelo início do processo de oxidação, que começa logo após a sua produção, tendo sua continuidade ao longo de todo período de estocagem. Como subprodutos destas reações de oxidação, surgem os ácidos e os polímeros de mais alto peso molecular – as gomas. Durante a estocagem, em função da adoção de práticas operacionais inadequadas, das condições de armazenagem e das variações de temperatura, o processo de geração de goma será acelerado. A goma se depositará ao longo do sistema de combustível do veículo, desde o tanque até a câmara de combustão. No carburador, estes depósitos se acumulam em grande quantidade, dificultando a atuação adequada das borboletas do 1º e do 2º estágios, ocasionando mistura não apropriada e queima deficiente. Outros locais de velocidade de fluxo baixa são os coletores e as válvulas de admissão, por isso mesmo constituindo-se em pontos de alta concentração de depósitos.

Após um período de uso do veículo, quando o volume de depósitos começa a causar problemas de partida e de marcha lenta, torna-se necessária a remoção do carburador para limpeza geral. Processo semelhante acontece com os bicos injetores, nos carros com injeção eletrônica e em válvulas.

Resumidamente, os depósitos de carbono formados em carburadores, injetores, coletores, válvulas de admissão e câmaras de combustão geram os seguintes efeitos:
- afetam a dirigibilidade do veículo (motor engasgando, rateando e afogando)
- reduzem o desempenho do motor (perda de potência, redução da aceleração, consumo do combustível, detonação, aumento do requisito de octanagem)
- aumentam as emissões de gases de exaustão (HC, CO, NO).

Por causa desses problemas, Na década de 50, foram lançados nos Estados Unidos os aditivos detergentes, que eram compostos à base de produtos de origem animal. Esses compostos, de baixo peso molecular e pouca estabilidade térmica, apresentavam bom desempenho na limpeza de carburadores, mas não eram tão eficientes quanto aos coletores e válvulas de admissão. Na década de 70, também nos Estados Unidos, foram lançados os aditivos detergentes/dispersantes de alto peso molecular e quimicamente estáveis que, além dos carburadores, mantinham limpas as válvulas de admissão. Em meados de 80, com o crescente uso do sistema de injeção eletrônica multiponto, em substituição ao de injeção simples, verificou-se que estes aditivos apresentavam nível de desempenho bem inferior àquele constatado nos sistemas carburados. Os fabricantes de aditivos novamente promoveram ações no sentido de adequar seus produtos às novas exigências de mercado. No final da década de 80, observou-se que alguns poucos tipos de motores, principalmente os da marca BMW, apresentavam depósitos nas válvulas de admissão. Esses depósitos tinham morfologia diferente daqueles encontrados nos carburadores, e afetavam a dirigibilidade do veículo durante a fase de aquecimento do motor.

Tal fato levou os fabricantes de aditivos a desenvolverem pacotes eficazes no controle da formação de depósitos nas válvulas de admissão dos motores BMW.

Em função da evolução dos aditivos detergentes para veículos automotivos, existem hoje disponíveis no mercado diferentes gerações de aditivos, desde as primeiras aminas que surgiram no mercado (1ª geração), até os atuais detergentes/dispersantes de última geração.

Desde o final de 1990, a Petrobras Distribuidora vem trabalhando no desenvolvimento da sua gasolina BR Supra Aditivada. Inicialmente foi conduzida uma bateria de testes de laboratório e em bancadas, para identificação do aditivo que melhor se adaptava às características do mercado brasileiro, como a gasolina e o clima tropical.

No total, foram mais de 500 mil km de testes de campo, onde foram utilizados veículos de diferentes marcas e modelos, com gasolinas de várias refinarias.

Definiu-se a cor verde para diferenciar a gasolina BR Supra Aditivada da gasolina comum.

O pacote de aditivos adicionado à gasolina BR SUPRA ADITIVADA tem como principais componentes um agente detergente e um agente dispersante. Onde ocorre fluxo do produto, a goma depositada é removida pela ação do detergente e mantida em suspensão no fluido pela ação do dispersante até a câmara de combustão, onde é completamente queimada, sem deixar resíduos. Os dois aditivos se complementam.

Se eu usar 50% de gasolina e 50% de álcool no mesmo tanque qual seria a conseqüência dessa mistura?
Os veículos à gasolina comercializados no Brasil, são regulados para funcionar com uma mistura de 75% de gasolina e 25% de álcool. A mistura de 50% de gasolina e 50% de álcool traria problemas para o funcionamento do motor, em especial perda de potência e rendimento, aumento do consumo de combustível e de emissões poluentes.

Como funcionam os densímetros para gasolina?
Os densímetros para petróleo e seus derivados, entre eles inclui-se a gasolina, são construídos de forma a atender a portaria 34/62 do Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM). Todo o procedimento deve seguir norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) MB-104 – Petróleo e derivados – Determinação da densidade – Método do densímetro. De um modo geral o procedimento é o seguinte: coloca-se a gasolina em uma proveta. Esta proveta deve ter um diâmetro pelo menos 2,5 cm maior que o diâmetro máximo do densímetro, e altura suficiente para conter amostra em nível tal que o densímetro em equilíbrio fique com a sua extremidade inferior a pelo menos 2,5 cm acima do fundo da proveta. Após colocada a gasolina na proveta, o densímetro é mergulhado na gasolina e deixado flutuar. Quando ele se estabilizar é efetuada a leitura da densidade, verificando qual a marcação da escala existente na haste superior do densímetro está tangenciando a superfície do combustível. Para maiores detalhes devem ser consultadas as normas citadas acima.

Sabemos que alguns postos não são fiéis aos consumidores e misturam à gasolina uma quantidade de álcool maior que a permitida. A Petrobras fiscaliza isso?
A Petrobras não possui o poder de fiscalizar e/ou multar postos. Isso é atribuição da ANP – Agência Nacional de Petróleo. Para auxiliar os consumidores, a Petrobras possui um programa chamado “PROGRAMA DE OLHO NO COMBUSTÍVEL”. Este programa consiste no uso de laboratórios móveis que visitam os Postos Petrobras (somente os postos Petrobras) e realizam análises nos combustíveis comercializados para verificar a qualidade dos mesmos. Além disso o laboratório verifica as condições de limpeza, arrumação, armazenagem de produtos e atendimento. Caso o posto esteja de acordo em todos os itens verificados, ele recebe um certificado para que o cliente saiba disso. Este certificado pode ser facilmente visto nos postos. Ele possui a forma triangular e é geralmente fixado na cobertura do posto. Caso o nosso laboratório encontre alguma anormalidade, a mesma é comunicada ao dono do posto para que seja resolvida. Caso isso não seja feito, nós entramos em contato com a ANP para que eles fiscalizem e, caso necessário, multem o posto.

O que é gasolina batizada?
Gasolina batizada é o mesmo que gasolina adulterada, ou seja, quando alguém adiciona solvente ou outros compostos a gasolina de modo a se obter um produto mais barato, porém com qualidade inferior a exigida pela especificação do produto. É bom lembrar que o uso de gasolina adulterada, ou “batizada”, pode causar danos aos motores dos veículos.

Existe algum problema em misturar gasolina comum com gasolina aditivada?
Essas gasolinas podem ser misturadas. O único problema nessa mistura é que haverá uma diluição do aditivo existente na gasolina aditivada causando uma redução do poder de limpeza do sistema de alimentação do veículo. Dependendo da quantidade de gasolina comum que for adicionada a gasolina aditivada o pacote de aditivos pode até perder o seu efeito.

Dica Caseira: Teste preferencialmente com um Fusca ou Brasilia e verá o resultado, abasteça o veículo com gasolina comum (tanque todo em torno de 40 litros) e adicione 5 bolinhas de naftalina, a naftalina em contato com a gasolina se dissolve e forma gases que aumentam a octtanagem da gasolina no motor, porém o desgaste do motor é de até 20x (vinte vezes) mais rápido do que o previsto somente com gasolina, e seu carro terá em torno de 30% a mais de potência no motor.

Fonte



9 respostas Add your own

  1. Claudeci Almeida Prado disse:

    ESTAMOS CONSULTANDO OS SETOR DE ADITIVOS PARA VER A POSSIBILIDADE DE ADITIVAR O LIMITADOR DE GASOLINA

    RELATORIO FINAL SOBRE ESTUDOS DE METODOS E FORMULAS ANTI FRAUDES COMBUSTIVEIS,
    APÓS CONTATOS COM ORGÃOS OFICIAIS E PARTICULAR NOS FIXAMOS COMO DEFINITIVO EM PONTOS PRINCIPAIS QUE DESTACAMOS.
    LIMITADOR DE ALCOOL NA GASOLINA
    FORAM EVIDENCIADOS OS SEGUINTES PROS SOBRE O LIMITADOR
    1-NÃO PERMITE A ADIÇÃO DE MAIS 4¨% DE ALCOOL A MAIS DO PERMITIDO 25%. SE TAL ACONTECER VAI PROVOCAR SEPARAÇÃO DAS PARTES, ALCOOL E GASOLINA, SENDO QUE PARA RECUPERAR ESSE ALCOOL SERIA NECESSARIO NOVA DESTILAÇÃO.
    2-CONSIDERANDO O USO DE 1,7%, TERIAMOS UM OFERTA EM TORNO DE 360 MILHÕES DE LITROS POR ANO NO MERCADO. CONSIDERANDO UM CONSUMO ANUAL 21 BILHÕES DE LITROS.
    3-O LIMITADOR CONSISTE NUM CORANTE EXTRAIDO DAS FOLHAS DE CANA DE AÇUCAR , QUE SERA ADICIONADO AO ALCOOL ANIDRO.
    4-O CORANTE DE FOLHAS APRESENTA-SE VERDE, LOGO O ALCOOL ANIDRO VAI APRESENTAR ESSA COLORAÇÃO, SUBSTITUINDO O CORANTE LARANJA QUE TORNOU-SE UM COADJUVANTE DE FRAUDES POIS TEM A MESMA COLORAÇÃO DA GASOLINA E TERA SEM DUVIDA UMA FUNÇÃO DE NÃO PERMITIR A ADIÇÃO DE AGUA.
    5-A PRODUÇÃO DESSE CORANTE, VAI EXIGIR MÃO DE OBRA NA AREA AGRICOLA QUE SERÃO OS COLHEDORES DE FOLHAS, PROPORCIONANDO 40.000 EMPREGOS NOVOS NA AREA RURAL, NUMA COLHEITA EM TORNO DE 500 MILHÕES DE QUILOS DE FOLHA ANO.
    CADA COLHEDOR VAI COLHER 50 QUILOS DE FOLHAS POR DIA.
    6-FORA A MÃO DE OBRA RURAL TEREMOS POLOS DE EXTRAÇÃO DO CORANTE , OU SEJA MAIS EMPREGOS. SENDO QUE A MATERIA PRIMA, NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE FALTAR. E PODERA INCLUSIVE ALCANÇAR OUTROS MERCADOS DE CORANTES.
    7-A REMUNERAÇÃO DOS COLHEDORES DE CANA E DE R$500,00 MENSAIS NA MEDIA ANUAL, COM APARELHOS APROPRIADOS QUE ELIMINA RISCOS DE ACIDENTES NO CORPO DO COLHEDOR.
    8-ESTUDA-SE EM FUNÇÃO DE 500 MILHÕES DE QUILOS DE FOLHAS NÃO
    FOREM USADAS NAS QUEIMAS. O CREDITO CARBONO.
    9-O RESIDUO RESULTANTE DA EXTRAÇÃO DO CORANTE, TEM ESTUDOS DE SE ADICIONAR AS RAÇÕES ANIMAIS.
    10- A GASOLINA COM O LIMITADOR FOI TESTADA POR UMA FROTA DE VEICULOS E AO FINAL DE 6 MESES E 15 DIAS, ABERTOS OS MOTORES NÃO APRESENTARAM QUALQUER ANOMALIA.
    11- O REAGENTE COLOCADO NO ALCOOL NAS USINAS IMPEDE QUE O RESTO QUE MANIPULA MISTURAS PRATICAREM AS FRAUDES COM EXCESSO DE ALCOOL NA GASOLINA
    SABEMOS QUE AS FRAUDES CHEGARAM A INDICES INCRIVEIS, COM ADIÇÃO DE ATE 60% DE ALCOOL NA GASOLINA, ENTÃO ESTARIAMOS TROCANDO 1,7% DE REAGENTE CONTRA TUDO ISSO DE FRAUDES.
    INFORMADOS QUE QUALQUER PRODUTO ADICIONADO A GASOLINA DEVERA TRAZER BENEFICIOS. SERA QUE CHEGA ESSES CITADOS¿

    KIT ANTI FRAUDES GASOLINA
    1-FOI DESENVOLVIDO PARA QUE O PROPRIO CONSUMIDOR FAÇA O TESTE.
    2-ELE INFORMA A QUANTIDADE DE ALCOOL CONTIDO NA GASOLINA.
    3-TRATA-SE DE UM TUBO PREVIAMENTE MARCADO, COM QUANTIDADE DE GASOLINA A SER COLACADO E MARCA DE QUANTIDADE DE ALCOOL NA NORMALIDADE, E UMA BISNAGA DE CORANTE DE FOLHAS DE CA4-ESTE TESTE REVELA EM 30 SEGUNDOS O RESULTADO.

    OUTROS DISPOSITIVOS
    APENAS DESENHOS ILUSTRATIVOS

    COMENTARIOS GERAIS E FINAIS.
    O GRUPO QUE SE REUNE UMA VEZ POR SEMANA, CONTA COM PROFISSIONAIS DE DIVERSAS AREAS COMO
    EX FUNCIONARIO DA PETROBRAS
    FUNCIONARIO DE USINA
    PREPARADOR DE MOTORES
    ENGENHEIRO QUIMICO
    E OUTROS COLABORADORES.
    NÃO CONTAMOS COM APOIO FINANCEIRO NENHUM, USAMOS PARCOS RECURSOS PROPRIOS, MESMO ASSIM TENTAMOS FAZER DEMONSTRAÇÕES 2 VIAGENS A BRASILIA E 1 AO RIO DE JANEIRO. E NÃO CONSEGUIMOS DEMONSTRAR O RESULTADO DE NOSSOS ESTUDOS, ENVIAMOS DIVERSOS E MAILS A ORGÃOS LIGADOS E ESTAMOS TENTANDO AGORA UMA DEMONSTRAÇÃO EM BRASILIA, COM SR EDMILSON RALDENES, DA ANP .
    PARA TANTO ESTAREMOS LEVANDO TODO MATERIAL, PARA QUE SEJA POSSIVEL TAL DEMONSTRAÇÃO.
    NÃO PODEMOS DEIXAR DE CITAR OS NOSSOS COMPANHEIROS DA INTERNET, QUE COLOCARAM EM SEUS SITES RESUMOS DE NOSSOS TRABALHOS, FORAM AO REDOR DE 50 CITAÇÕES, TODAS LIGADAS AS FRAUDES EM COMBUSTIVEIS, A ELES NOSSOS SINCEROS AGRADECIMENTOS.
    ESTAREMOS DIVULGANDO O RESULTADO DAS DEMONSTRAÇÕES EM BRASILIA.
    ESTAMOS AGENDANDO AO MESMO TEMPO UM PROGRAMA DE TELEVISÃO ONDE FAREMOS DEMONSTRAÇÕES AO VIVO, E VAMOS SOLICITAR UM DISKET DESSE PROGRAMA PARA ENVIO A DIVERSOS ORGÃOS QUE NOS AJUDARAM NESSE TRABALHO.
    O GRUPO
    MESMO ASSIM PRECISAMOS DE APOIO.
    Anexo
    Na extração do corante das folhas, vamos formar um núcleo que proporcionara mais 1.000 empregos.
    NO LIMITADOR AGORA VAMOS USAR APÉNAS 1,6% DE REAGENTE NO LUGAR DE 1,7% E A SEPARAÇÃO VAI ACONTECER SE FOR ADICIONADO 2% DE ALCOOL A MAIS E NÃO MAIS 4%
    JÁ SOLICITAMOS VARIAS VEZES FAZER UMA DEMONSTRAÇÃO E NÃO ESTAMOS CONSEGUINDO
    PARA REFORÇAR AS FORMULAS, ESTAMOS INCLUINDO NO LIMITADOR UM ADITIVO PARA GASOLINA BEM COMO LUBRIFICANTES E ASSIM CONVIDAR EMPRESAS DO RAMO A FAZER UMA PARCERIA
    Desenhos explicativos

  2. VALDIR GONÇALVES disse:

    gostaria que enviase mais comentario sobre tipos de gasolina

  3. kelly barbosa disse:

    eu adorei a entrevisa

  4. CLEUSA MARIA DOS SANTOS disse:

    Amei esse artigo pois eu ouvia cada barbaridade a respeito da diferença de gasolina,eu então resolvi pesquisar e encontrei essa página que me esclareceu, obrigada, amei muito.

  5. Féfe disse:

    Já ví várias matérias em programas de televisão, como o Vrum, por exemplo, que esse negócio de naftalina é mito; ou não é?

  6. Carlos Fernandes (Féfe) disse:

    Muito boa a matéria sobre a gasolina, bem esclarecedor para curiosos, assim como eu, que deseja ter maior conhecimento geral sobre vários assuntos.

    SUGESTÃO: capacitar frentistas a esclarecer para os consumidores características,uso e detalhes sobres os produtos comercializados.
    Nas minhas pesquezas sobre esse assunto, não obtive esclarecimentos convincentes destes profissionais.

  7. NANA MARCILIO disse:

    EU ADOREI,ATE PORQUE USSO ADITIVADA NO MEU VWFUSCA E UMA PESSOA ME DISSE QUE ERA BOBAGEM USAR NO FUSCA,MAIS VI QUE ELE NAO SABE NADA.VOU CONTINUAR USANDO VALEU.

  8. Maria Almeida disse:

    Gostei muito desse artigo, pois aprendi! Muito obrigada pela informação, eu estava em dúvida e agora pude esclarece-la.

  9. frank disse:

    Gostei do conteúdo/pesquisa, só não encontrei explicação do pq a gasolina no tanque de barcos/lanchas envelhece (oxida,conf.reportagem), pois na prática isto não acontece com a podium ( ou é mito???).Poderiam me responder? Grato.

Comenta aí